PRINCIPAIS PRATOS TÍPICOS PORTUGUESES



QUADRADO.png  SARDINHAS

Disputa ao lado do bacalhau, o protagonismo do principal peixe do país. Está muito presente nas festas de São João e Santo Antônio. As técnicas culinárias para sua confecção são diversas, sendo comumente servidas após assadas na grelha com batatas cozidas, fritas ou empanadas. Este verdadeiro patrimônio da cultura portuguesa pode ser consumido tanto como um aperitivo quanto como a proteína do prato principal com acompanhamentos.


QUADRADO.png  COZIDO À PORTUGUESA

Uma mistura de incontáveis ingredientes, dentre eles muitos legumes, verduras e carnes. Comumente, é feito com um rico caldo e adicionados feijão branco, cenoura, nabo, batata, couve, nabo, cenoura, carne de porco, o delicioso chouriço e morcela. Sua origem histórica é controversa, com a principal vertente afirmando ter nascido da necessidade do reaproveitamento de sobras para fortalecer e aquecer os gelados invernos.


QUADRADO.png  BOLO DO CACO

Trata-se de um pão de trigo típico da região da Madeira. Sua versão tradicional madeirense compreende pão-de-alho, achatado e circular, cozido em forno à lenha de forma bastante artesanal. A fermentação de sua massa leva em geral 3 dias. É consumido como entrada, acompanhamento ou até principal, sendo acompanhado de recheio para sanduíches.


QUADRADO.png  ALHEIRAS À MIRANDELA

Observe que o enchido/embutido possui proteção de Especialidade Tradicional Garantida – ETG. Trata-se de uma linguiça recheada com carnes defumadas, migas de pão e muitos temperos. Seu sabor é bastante forte, tendo uma textura mais macia que a linguiça tradicional. Só pode ser produzida no concelho de otigem, conforme a tradição local. Sua história na gastronomia regional remonta ao século XV.


QUADRADO.png  FOLAR DE VALPAÇOS IGP

Desde o ano de 2017, este é um produto que possui registro com Indicação Geográfica Protegida, sendo o único folar de todo o país certificado. Sua fabricação segue uma tradição muito antiga, de ser servido especialmente na Páscoa. Devido à crescente demanda, é comum hoje em dia até encontrá-lo ao longo do ano em padarias. Trata-se de um pão bastante específico, muito forte e de sabor marcante. Tem formato retangular, tendo sua massa feita com azeite e banha, com carne de porco e miúdos, além de embutidos. Os produtos característicos de Trás-os-montes conferem à esse pão sua personalidade única. Se tiver a oportunidade de estar na região de Valpaços na semana da Páscoa, terá a oportunidade de acompanhar a “Feira do Folar”, que emprestou à zona a alcunha de “capital do folar”.


QUADRADO.png  PASTÉIS DE NATA / PASTÉIS DE BELÉM

Conta a história que a receita, guardada a sete chaves desde o século XIX no Mosteiro dos Jerônimos, originalmente foi criada por freiras da Igreja Católica na região de Belém, em Lisboa. São chamados “pastéis de Belém” quando confeccionados especificamente nesta região, e “pastéis de nata” os fabricados em outros lugares. Tradicionalmente, são consumidos ainda quentes, polvilhados com uma camada fina de canela e açúcar em pó no topo. Conheça AQUI a lista dos principais tipos de doces portugueses.


QUADRADO.png  LEITÃO

  • Leitão à Bairrada: é servido um leitão assado grande em pedaços ou um inteiro de pequeno porte, com a irresistível crosta crocante. Teve sua origem desde a criação de suínos no século XVII na região da Bairrada. Após ser bem temperado, o leitão é assado aberto ou vai ao espeto por horas em fornos à lenha.
  • Leitão à moda Alentejana: A carne é feita em cubos e salteada com cebolas, batatas em pedaços e recoberto com um gostoso molho de mariscos.

QUADRADO.png  POLVO À LAGAREIRO

Este prato bastante típico em Portugal tem o polvo primeiramente cozido e posteriormente grelhado. Ao ser servido, é regado com azeite quente em abundância, com alho e cebola. É guarnecido geralmente de batatas cozidas laminadas.


QUADRADO.png  AMÊIJOAS À BULHÃO PATO

O prato de origem na região da estremadura é muito consumido em marisqueiras e tascas/bares. Trata-se de um prato com diversos insumos, como as fantásticas amêijoas e temperos, que também podem conter vinho branco. Seu nome remete ao poeta português Raimundo Antônio de Bulhão Pato, um poeta do século 19, conhecido também por conta de seus dotes culinários, e pela menção ao sabor em um texto seu.


QUADRADO.png  TORTA DE AZEITÃO

É oriunda de uma região do concelho de Setúbal – Azeitão.  É confeccionada à base de ovos, perfazendo um ícone da área. É coberta de gema de ovo doce e canela, posteriormente enrolada. Ficam perfeitas de harmonizadas com um exemplar do vinho Moscatel de Setúbal.


QUADRADO.png  QUEIJOS REGIONAIS PORTUGUESES

Devido à sua geografia muito privilegiada e pastos propícios, é produzida uma quantidade infinita de queijos. São fabricados com leite de ovelha, cabra e vaca – ou de mistura entre eles. Cada um tem sua personalidade marcante e identidade bem definida, com consistência e paladar únicos. Seus processos exatos de produção, muitas vezes, são passados de pai para filho, e guardado a sete chaves. Quanto à sua consistência, as principais encontradas são o cremoso, mole, duro e semi-duro. Tem-se o costume de consumo juntamente com doces, sendo os principais o figo, marmelo, ameixa e mel. Conheça AQUI a lista dos principais tipos de queijos portugueses.


QUADRADO.png  EMBUTIDOS

Alguns produtos e enchidos portugueses fazem parte de uma lista restrita que a Comissão Europeia atribuiu a menção de Denominação de Origem Protegida nomeadamente, para a zona de Estremoz e Borba, tais como, a Paia de Toucinho, o Chouriço de Carne, a Paia de Lombo, a Morcela, os Maranhos, o Chouriço grosso. No Nordeste de Portugal, a criatividade popular permitiu a confecção de enchidos à base de pão e carne de galinha, denominadas alheiras. Foram criadas como forma de reacção por parte dos judeus Portugueses no século XVI, ao dilema de não lhes ser permitido comer carne de porco por motivos religiosos e o imperativo de dar entender que se tinham convertido ao cristianismo. Conheça AQUI a lista dos principais tipos de embutidos/enchidos portugueses.


QUADRADO.png  OVOS MOLES DE AVEIRO

Sua produção original teve início na região do Aveiro por volta do século XIX, onde freiras de conventos nesta localidade utilizavam a clara de ovo para engomar os seus hábitos, e para que não fosse para o lixo o restante do ovo, passaram a criar receitas de doces á base de gemas. Foi o 1o. produto nacional de doçaria a obter distinção da União Européia com certificação de “Ovos Moles de Aveiro – Indicação Geográfica Protegida”. Na sua localidade originária, é vendida em barricas de madeira pintadas em seu exterior com os típicos barcos moliceiros e desenhos da Ria de Aveiro, ou em potes de cerâmica. AQUI a lista dos principais tipos de doces portugueses.


QUADRADO.png  BACALHAU

  • Bacalhau à Brás: é desfiado e posteriormente salteado com cebola, ovos e batata palha. Algumas variações possuem a adição de um creme, dando-lhe uma textura mais pastosa.
  • Bacalhau com Natas: o bacalhau desfiado é misturado com pequenos pedaços de batata, além de creme de leite, temperos e azeitonas. Posteriormente, é gratinado.
  • Bacalhau à Moda da Casa: pode ser assado, frito ou empanado. Significa “à moda do chef”, sendo preparado de forma diferente em cada restaurante e região.
  • Punheta de bacalhau: É servida como entrada, geralmente acompanhando pão. É servido com o bacalhau crú, cebolas, azeite, alho e salsa.
  • Pataniscas de bacalhau: são bolinhos redondos, fritos e empanados. Diferem-se dos tradicionais “bolinhos de bacalhau” brasileiros, que unem ao bacalhau batatas para dar consistência. A quantidade de bacalhau utilizada nas pataniscas é maios do que a dos bolinhos.

QUADRADO.png  ARROZ DE PATO

Este prato bastante tradicional é feito com o pato desfiado ou cortado em pequenos pedaços e arroz, azeitonas e temperos, para posteriormente ir ao forno e ser servido com chouriços – embutidos – em cima.


QUADRADO.png  FRANCESINHA

Trata-se de uma espécie de grande sanduíche de forno, recheado com mistura de carnes de porco ou de vaca, juntamente com presunto, linguiças e espécies de embutidos. Tudo é coberto com bastante queijo e regado com um molho de certa picância. Costuma ser servido com ovo e batatas fritas. O prato é originário e típico da região do Porto no norte de Portugal.


QUADRADO.png  CALDO VERDE

Na Região Norte, é muito tradicional o caldo verde, podendo até ser guarnecido por rodelas apetitosas de chouriço. O prato é munido de purê de batatas e também couve cortada em tiras finas e posteriormente refogada. O resultado é um caldo aveludado de batatas, sempre regado com um generoso fio de azeite. Tradicionalmente, é servido em tigela de barro, sendo acompanhado por uma fatia de broa de milho e mexido com colher de pau.


Deixe uma resposta