GASTRONOMIA DE PORTUGAL

A IRRESISTÍVEL DOÇARIA CONVENTUAL PORTUGUESA



QUADRADO.png  SAIBA MAIS

Conta a história, que a doçaria tradicional portuguesa tem sua origem nos conventos portugueses, no século XVI. Observe que Portugal era o maior produtor de ovos da Europa no período que compreendia entre os séculos XVIII e XIX. As freiras utilizavam as claras para engomar seus hábitos, e com as gemas que sobravam, passaram a produzir doces fantásticos. O resultado disso foi a criação de um conjunto de receitas de valor inestimável, sendo um verdadeiro patrimônio cultural do país.


QUADRADO.png  SERICAIA

Segundo a história, este doce possui sua origem na Índia, tendo sido levado a Portugal na época das descobertas de caminhos marítimos. A região do Alentejo reclama sua criação, mais precisamente na região do Convento de Elvas e Vila Viçosa. A saborosa sobremesa é muito popular, contendo um creme feito à base de leite, ovos, açúcar e canela. Existem incontáveis versões a partir da receita original, onde ao leite fervido são acrescidos os demais ingredientes, indo ao forno para garantir sua consistência.


QUADRADO.png  TOUCINHO DO CÉU

Este é um dos doces conventuais mais adorados pelos portugueses, sendo muito famosos os da região Norte do país, mais precisamente em mosteiros beneditinos de Guimarães e Murça. A sobremesa bastante consumida em Portugal e Espanha, possui como ingredientes-base ovos, açúcar e amêndoas.  Observe que o nome deste doce é da época em que a receita era feita com banha de porco, sendo substituída atualmente em receitas, com manteiga.


QUADRADO.png  OVOS MOLES DE AVEIRO

Sua produção original teve início na região do Aveiro por volta do século XIX, onde freiras de conventos nesta localidade utilizavam a clara de ovo para engomar os seus hábitos, e para que não fosse para o lixo o restante do ovo, passaram a criar receitas de doces á base de gemas. Foi o 1o. produto nacional de doçaria a obter distinção da União Européia com certificação de “Ovos Moles de Aveiro – Indicação Geográfica Protegida”. Na sua localidade originária, é vendida em barricas de madeira pintadas em seu exterior com os típicos barcos moliceiros e desenhos da Ria de Aveiro, ou em potes de cerâmica


QUADRADO.png  PAPO-DE-ANJO

Esse doce apetitoso é confeccionado a partir de gemas de ovo batidas, posteriormente cozidas e fervidas em calda de açúcar. A história conta que teria sido criado por freiras portuguesas entre os séculos XIV ou XV.


QUADRADO.png PASTÉIS DE NATA / PASTÉIS DE BELÉM

Conta a história que a receita, guardada a sete chaves desde o século XIX no Mosteiro dos Jerônimos, originalmente foi criada por freiras da Igreja Católica na região de Belém, em Lisboa. São chamados “pastéis de Belém” quando confeccionados especificamente nesta região, e “pastéis de nata” os fabricados em outros lugares. Tradicionalmente, são consumidos ainda quentes, polvilhados com uma camada fina de canela e açúcar em pó no topo.


QUADRADO.png  ARROZ-DOCE

O arroz teria sido levado pelos portugueses desde a Ásia, na época dos descobrimentos marítimos, e possivelmente com a invasão moura, tenha sido tomada sua faceta na confeitaria. Em Portugal, é um doce muito apreciado em festas, romarias e casamentos. A receita originária de diversos conventos diverge muito pouco entre uns e outros – por exemplo com ou sem ovos – como no Convento de Santa Clara de Guimarães e Convento de Arouca. O arroz, em geral, é cozido no leite ou com água e açúcar, e adiciona-se à ele a canela polvilhada .


QUADRADO.png  PUDIM ABADE DE PRISCOS

Doce típico de Braga, foi uma dentre as receitas do convento guardadas a sete chaves, transmitida para a população. Ficou bastante conhecido depois que o diretor do Magistério de Braga pediu ao Abade de Priscos receitas para ensinar na instituição. É feito em um tacho de latão ou cobre. Posteriormente, acrescenta-se água, açúcar, casca de limão, canela em pau e algum tipo de gordura. São batidas as gemas, e um toque de Vinho do Porto. Obtêm-se uma calda de açúcar passada em coador para unir-se às gemas, e após o banho-maria.


QUADRADO.png  PASTEL DE TENTÚGAL

O cobiçado doce foi criado pelas freiras carmelitas do Carmelo de Tentúgal no século XIX. Suas características únicas se dão pelo folhado fino e de crosta estaladiça, ímpar na doçaria portuguesa, com farto recheio de ovos. à época de sua criação estava presente a amêndoa ralada que lhe emprestava um sabor adicional, que pode também ser acrescido.


QUADRADO.png  DOM RODRIGO

São muito típicos do Sul de Portugal, mais precisamente da região do Algarve, e bem servidos em época de festividades. Sua base é de ovos e açúcar, além de amêndoas. Após prontos, são embrulhados em papel metalizado e em forma de pirâmide.


Deixe uma resposta